Total de visualizações de página

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

A Revelação Geral e a Revelação Especial


Até os dias de hoje é comum ouvirmos a pergunta: 'Como Deus compartilha sua revelação conosco?'. Resumidamente podemos dizer que Deus compartilha sua revelação conosco através da Revelação Geral (ex: criação, vida humana e vida comunal) e da Revelação Especial (ex: Bíblia, Pessoa de Cristo, pessoa do Espírito Santo e Corpo de Cristo). Detalhando melhor esses dois conceitos, podemos dizer que:

Revelação Geral é o termo frequentemente usado para se referir ao fato de Deus se fazer conhecido na criação, consciência e história. Há várias passagens bíblicas que a mencionam, mas a mais utilizada, por razão da clareza, é Romanos 1:18-32. Nela lemos sobre Deus se fazendo conhecer através da criação (vs. 20, 25) e também na consciência do homem (v. 19).

Quanto a Revelação Especial, a Bíblia seria um de seus exemplos, mas não o único. O termo também é usado como a Revelação Salvífica de Deus através de Jesus Cristo nas Escrituras. A razão de ser chamada de especial deve-se ao fato dessa revelação ser exclusiva ao povo de Deus, ou seja, os crentes em Jesus, uma vez que vem por escrito (A Bíblia), como já foi mencionado, mas também vem pela presença do Espírito Santo na vida do cristão e da comunhão com outros salvos em Cristo, ou seja, através da vida eclesiástica.

Baseado nesse entendimento, concluímos que ninguém poderá se desculpar diante de Deus, pois de uma forma ou de outra, Ele tem se revelado a cada ser humano. Um texto da Bíblia que gosto muito, e que também nos ensina sobre a Revelação de Deus através da criação, diz:

"Os céus proclamam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras das Suas mãos. Um dia discursa a outro dia, e uma noite revela conhecimento a outra noite. Não há linguagem, nem há palavras, e deles não se ouve nenhum som; no entanto, por toda a terra se faz ouvir a Sua voz, e as Suas palavras, até aos confins do mundo." Salmo 19:1-4a

Que Deus o abençoe e que a busca pelo conhecimento do Senhor seja uma constante em sua vida!

FONTES PESQUISADAS:

- Apostila de Apologética Cristã do Dr. Cornelio Hegeman - Curso de Mestrado em Ministério pelo SETEB/Northwestern Theological Seminay (patrocinador SETEB);
- Texto 'Revelação Geral' do Rev. Ronald Hanko - extraído de http://www.monergismo.com

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

E-M@IL PARA O APÓSTOLO PAULO


Amado apóstolo:

Estou escrevendo para colocá-lo a par da situação do Evangelho que um dia você ajudou a propagar para nós gentios, e que lhe custou a própria vida. As coisas estão muito difíceis por aqui. Quase tudo o que você escreveu foi esquecido ou deturpado.

Você foi bastante claro ao despedir-se dos irmãos em Éfeso, alertando que depois de sua partida lobos vorazes penetrariam em meio à igreja, e não poupariam o rebanho [1]. Palavras de fato inspiradas, pois isso se concretiza a cada dia.

Lembra-se que você escreveu ao jovem Timóteo, que o amor ao dinheiro era a “raiz de todos os males”[2]? Quero que saiba que suas palavras foram invertidas, e agora se prega que o dinheiro é a “solução” de todos os males.

Também é com tristeza que lhe digo que em nossa época ninguém mais quer ser chamado de pastor, missionário ou evangelista, pois isso é por demais humilde: um bom número almeja levar o título de apóstolo. Sei que em seu tempo, os apóstolos eram “fracos... desprezíveis... espetáculo para os homens... loucos... sem morada certa... injuriados... lixo e escória” [3]. Agora é bem diferente. Trata-se de uma honraria muito grande: acercam-se de serviçais que lhes admiram, quando viajam exigem as melhores hospedarias e são recebidos nos palácios dos governantes.

Eles não costumam pregar seus textos, pois você fala muito da “Graça” e da “liberdade que temos em Cristo” [4]. Isso não soa bem hoje, pois a Igreja voltou à “teologia da retribuição” da Antiga Aliança (só recebe quem merece), e liberdade é a última coisa que os pastores querem pregar à suas ovelhas.

Você não é bem visto por aqui, pois sempre foi muito humano, sem jamais esconder suas fraquezas: chegou até reconhecer contradições internas e que não faz o bem que prefere, mas o mal, esse faz [5]. Eles não gostam disso, pois sempre se apresentam inabaláveis e sem espinhos na carne como você. A presença deles é forte, a sua fraca [6], eles são saudáveis, você sofria de alguma coisa nos olhos [7], eles jamais recomendariam a um irmão tomar remédio, como você fez com Timóteo [8], mas aqui eles oram e determinam a cura – coisa que você nunca fez.

Você dizia que por amor a Cristo perdeu “todas as cousas” considerando-as refugo [9]. As coisas mudaram, irmão. Agora cantamos: “Restitui, quero de volta o que é meu!”.

Vivo em uma cidade que recebeu o seu nome, e aqui há um apóstolo que após as pregações distribui lencinhos vermelhos encharcados de suor, e as pessoas levam pra casa, como fizeram em Éfeso, imaginando que afastarão enfermidades [10]. Sim, eu sei que você nunca ordenou isso, nem colocou como doutrina para a igreja nas epístolas, mas sabe como é o povo....

Admiro sua coragem por ter expulsado um “espírito adivinhador” daquela jovem [11], embora isso tenha lhe custado a prisão e açoites. Você não se deixou enganar só porque ela acertava o prognóstico. Hoje há uma profusão de pitonisas e prognosticadores no meio do povo de Deus, todavia esses espíritos não são mais expulsos, ao contrário, nos reunimos ansiosos para ouvir o que eles têm a dizer para nós.

Gostaria de ter conhecido os irmãos bereanos que você elogiou. Infelizmente, quase não existem mais igrejas como as de Beréia, que recebam a palavra com avidez e examinem as Escrituras “todos os dias para ver se as coisas são de fato assim”[12].

Tem hora que a gente desanima e se sente fragilizado como Timóteo, o seu companheiro de lutas. Mas que coisa bonita foi quando você o reanimou insistindo para que reavivasse “o dom de Deus” que havia nele [13]. Estou lhe confessando isso, pois atualmente 90% dos pregadores oferecem uma “nova unção” para quem fraqueja. Amo esta sua exortação, pois você ensina que dentro de nós já existe o poder do Espírito, e não precisamos buscar nada fora ou nada novo!

Nossos cultos não são mais como em sua época, onde a igreja se reunia na casa de um irmão, havia comunhão, orações, e a palavra explanada era o prato principal.... as coisas mudaram: culto agora é chamado de “show”, a fumaça não é mais da nuvem gloriosa da presença de Deus, mas do gelo seco, e a palavra é só para ensinar como conseguir mais coisas do céu.

O Espírito lhe revelou que nos últimos tempos alguns apostatariam da fé “por obedecerem a espíritos enganadores” [14]. Essa profecia já está se cumprindo cabalmente, e creio que de forma irreversível.

Amado apóstolo, sinto ter lhe incomodado em seu merecido descanso eternal, mas eu precisava desabafar. Um dia estaremos todos juntos reunidos com a verdadeira Igreja de Cristo.

Autor: Pr. Daniel Rocha da Igreja Metodista, autor da Primeira Epístola de Paulo aos Brasileiros.

[1] At 20.23
[2] 1Tm 6.10
[3] 1Co 4.-9-13
[4] Gl 2.4
[5] Rm 7.19
[6] 2Co 10.10
[7] Gl 4.13-15
[8] 1Tm 5.23
[9] Fp 3.8
[10] At 19.12
[11] At 17.18
[12] At 17.11
[13] 2Tm 1.6
[14] 1Tm 4.1